Não espere a sede

10/04/2013 20:21

 

Na medicina, não há conceito que esteja gravado em pedra - e vários estudos recentes questionam a regrinha de que, para manter a hidratação em níveis ideais, é necessário beber dois litros de água por dia

 

{txtalt}
 

 

Uma vez que até mesmo os alimentos sólidos são fonte de fluidos para o corpo, deve-se beber água apenas quando se sente sede, propõem muitas dessas pesquisas. Médicos de várias especialidades consultados por Veja, no entanto, mantêm-se unânimes na sua rejeição a essa revisão: esperar pelo alerta físico é um equívoco, dizem eles. E, em alguns casos, pode ser decididamente perigoso. 

"Quando o organismo pede água, é sinal de que ele já chegou ao limite. E, em pessoas de saúde mais frágil, atingir o limite é arriscado: nos idosos, por exemplo, a sede vem acompanhada de queda na pressão arterial", explica o nutrólogo e cardiologista Daniel Magnoni, do Hospital do Coração (HCor), em São Paulo. 

A hidratação adequada é essencial para a manutenção das funções básicas do organismo, concordam os profissionais de saúde. "Ela melhora o funcionamento intestinal, é um importante regulador da temperatura corporal e promove a revitalização das células, das mucosas e da pele", explica a nutricionista Camila Mendes de Abreu, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). 

Nem toda água é igual, porém. A seguir, os especialistas tiram dúvidas sobre a quantidade e também sobre a qualidade do que se bebe.

QUAL É A QUANTIDADE CERTA PARA CONSUMO DIÁRIO?
Esperar o alarme tocar não é o ideal. "A sensação de sede não é um sintoma normal: é um alerta de que o organismo está no limite", explica o nutrólogo e cardiologista Daniel Magnoni. Adultos devem beber entre 1,5 e 2,5 litros por dia, ou de seis a dez copos de água. "Essa quantidade varia de acordo com a idade, o IMC (índice de massa corporal), a temperatura ambiente e a rotina de atividades físicas", diz Magnoni. Em suma, precisa se hidratar mais quem é mais pesado, vive em regiões quentes ou pratica exercícios. Fique atento: entram nessa conta não só a água pura e simples, mas todos os líquidos. Quem se empanturra de refrigerante, porém, está ingerindo também grandes quantidades de sódio e açúcar, o que está longe de ser saudável. Por isso, se for arredondar a soma com outras bebidas, prefira os chás e os sucos naturais, sempre sem adição de açúcar.

A PARTIR DE QUE IDADE OS BEBÊS PODEM TOMAR ÁGUA?
Até os 6 meses, quando a alimentação do bebê idealmente consiste só em leite materno, o consumo de água é desnecessário. "Quando forem introduzidos outros alimentos na dieta da criança, os pais podem oferecer água filtrada ou mineral no intervalo das refeições", explica a pediatra Nilzete Bresolin, presidente do Departamento Científico de Nefrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Em média, calcula-se um consumo diário de 30 mililitros para cada quilo. Ou seja, uma criança que pesa 7 quilos deve beber cerca de 200 mililitros de água por dia.

HÁ DIFERENÇAS SIGNIFICATIVAS NA COMPOSIÇÃO DAS MARCAS DE ÁGUA MINERAL?
A composição físico-química da água é determinada pela fonte da qual ela é extraída. Bicarbonato, sódio, cálcio, potássio e magnésio são alguns dos elementos que a água adquire durante a infiltração no solo.

FONTE: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/saude/nao-espere-sede-738768.shtml